Consultoria desenvolve curso para empresas sobre estruturas racializadas

Valorizar a inclusão social e a diversidade étnica é um princípio de dignidade humana e cidadania, mas sobretudo um fator estratégico para o sucesso das empresas, pois influi na tomada de decisões, na comunicação e na relação com seus parceiros de negócios e clientes.

A fim de apoiar as lideranças das empresas na aplicação desses conceitos na prática e na sua disseminação, evitando episódios de racismo que têm crescido em diferentes segmentos e trazem prejuízos de toda ordem, o programa Coexistir, consultoria especializada em diversidade, mantida pelo Sincovaga, desenvolveu o curso “Reflexões para quebra de estruturas racializadas”.

O curso estará disponível nas versões Pocket e Modular, compreendendo os níveis introdutório, intermediário e avançado, nos formatos online e presencial, com duração entre 6 e 20 horas, e será voltado para diferentes níveis hierárquicos, desde gerentes e líderes até o operacional. O público-alvo são os gestores das áreas de Recursos Humanos, Sustentabilidade, Responsabilidade Social, Diretos Humanos, administradores e profissionais que atuam nas áreas de Inclusão.


O workshop em sua versão avançada foi ministrado para a equipe do Sincovaga, com o objetivo de preparar os funcionários da entidade para uma melhor compreensão sobre o tema, incluindo debates e discussões sobre os conceitos que permeiam a questão das relações raciais no Brasil.

Segundo o consultor Marcus Vinicius Bonfim, o objetivo do curso é dar condições a empresas de todos os segmentos de observar esses aspectos, da contratação à comunicação. “Fortalecendo a conscientização dos líderes, esperamos que eles disseminem esses conceitos para os demais, o que é crucial para a mudança cultural que envolve o tema da diversidade étnica”, afirma.

Para o presidente do Sincovaga, Alvaro Furtado, além das mudanças sociais e culturais que envolvem a diversidade e em especial as relações raciais, é importante que as empresas compreendam que para evoluir nessas questões é preciso encará-las de frente.

“A postura proativa impacta diretamente na valorização da imagem institucional. Uma empresa preocupada com a responsabilidade social tem ainda capacidade de atingir melhores resultados financeiros”, diz. “Hoje é imprescindível que as companhias dialoguem sobre diversidade com os seus diferentes públicos. Essa mudança cultural é necessária para a construção de uma sociedade mais sustentável e quem não fizer sua parte ficará para trás na transformação”, completa Furtado.

Criado pelo Sincovaga em 2013, o programa Coexistir visa a estimular, orientar e assessorar empresas de todos os segmentos a aderir à inclusão social, diversidade étnica e de gênero, promover a capacitação profissional das pessoas com deficiência e trocar informações sobre vagas disponíveis, ampliando as condições de captação da mão de obra.

Com 90 anos de história, o Sincovaga (Sindicato do Comércio Varejista de Gêneros Alimentícios de São Paulo) representa mais de 40 mil empresas da categoria econômica do varejo de gêneros alimentícios, entre elas as que comercializam, predominantemente, alimentos, produtos de higiene pessoal e de limpeza doméstica no Estado de São Paulo.

Dentre os estabelecimentos representados estão hipermercados, supermercados, autosserviços, mercados, mercadinhos, lojas de conveniência, quitandas, mercearias, empórios, laticínios e sacolões.

Mais informações: (11) 3335-1100 ou [email protected]

Outras notícias