Mais executivos do setor bancário veem as fintechs como parceiras

 Mais executivos do setor bancário veem as fintechs como parceiras

Em uma pesquisa global com 300 executivos C-Level do setor bancário, 54% disseram que suas instituições financeiras enfrentaram maior concorrência de alternativas digitais nos últimos três anos. No entanto, esses executivos também indicaram que estão mais bem posicionados para competir. Notavelmente, 84% dos entrevistados relataram que possuem, em certa medida ou mais, as ferramentas tecnológicas necessárias para criar novos produtos e serviços digitais. A pesquisa foi realizada para um novo relatório do Economist Impact, “Threat assessment 2022: digital competition in global finance”, encomendado pela WSO2, líder em tecnologia de transformação digital.

Além de analisar o cenário competitivo, o relatório examina como as instituições bancárias estão lidando com a mudança cultural, adotando habilidades digitais e confiando na tecnologia para obter uma vantagem competitiva. O relatório completo está disponível aqui.

“Todos os sinais no relatório Economist Impact apontam para instituições financeiras estabelecidas enfrentando com sucesso o desafio digital”, disse Eric Newcomer, CTO da WSO2. ”A maioria dos entrevistados da pesquisa afirma ter as ferramentas necessárias, estar culturalmente pronto e ter o talento necessário para criar novos produtos e serviços digitais, o que para mim representa uma mudança significativa na dinâmica do setor. ” 


Bancos na América Latina à altura do desafio da competição digital 

O relatório mostra que as instituições financeiras estão encontrando maneiras para enfrentar a crescente concorrência digital. Na América Latina, 26,7% dos entrevistados disseram que estão incorporando uma mudança de cultura de transformação digital em suas empresas, superando o registro de 20,3% dos demais entrevistados. 

Esta mudança também afeta a maneira como os serviços são disponibilizados. Entre as instituições financeiras da América Latina, 50% disseram que grande parte de seu atendimento a clientes é feito por meio de canais digitais (online ou por aplicativos móveis), versus 47% das respostas dos outros executivos na pesquisa. Além disso, 80% dos entrevistados preveem que grande ou a maior parte dos atendimentos a clientes serão feitos por meios digitais nos próximos dois anos, superando os 77% das respostas dos demais respondentes. 

“A América Latina tem um grande potencial de inovação digital em diversos setores e o bancário é um dos que mais rapidamente vem se atualizando, como vemos com o Open Finance. Esta mudança não é só tecnológica, mas também cultural e abre espaço para a criação de novos produtos e serviços, o que beneficia tanto as instituições quanto os clientes”, afirma Fernando Arditti, vice-presidente e gerente geral da WSO2 na América Latina.

Visão sobre a concorrência bancária está mudando

Ao mesmo tempo, o crescimento de novos participantes digitais no setor bancário está mudando a visão de quem é um concorrente versus um parceiro em potencial. Entre os executivos entrevistados, 26% identificaram o aumento da concorrência de serviços bancários como serviço (BaaS) ou finanças incorporadas, como empresas não financeiras, incluindo empresas de tecnologia e provedores de telecomunicações, entre outros. 

Enquanto isso, apenas 12% dos entrevistados da pesquisa listaram o aumento da concorrência de empresas de tecnologia financeira (fintechs) – em forte contraste com o medo generalizado da concorrência das fintechs apenas alguns anos atrás. Notavelmente, o relatório Economist Impact cita um relatório de 2021 da consultoria bancária Cornerstone Advisors, que descobriu que 48% dos bancos pesquisados fizeram parceria com startups de fintech nos últimos três anos. 

“A intensa concorrência enfrentada pelos bancos está levando a uma colaboração digital sem precedentes”, disse Seshika Fernando, vice-presidente de serviços bancários e financeiros do WSO2. “Os bancos antes protegiam zelosamente seus dados em sistemas proprietários para aumentar seus clientes e compartilhamento de receita. Hoje, eles estão acelerando seu crescimento fazendo parcerias com fintechs para adicionar novos serviços, incorporando soluções de serviços bancários em ofertas de varejo online e aproveitando os insights de agências com experiência em big data.”

Outras notícias