A baixaria promovida pelo PSDB na campanha de Rafa reforça falta de conhecimento da história

 A baixaria promovida pelo PSDB na campanha de Rafa reforça falta de conhecimento da história

O PSDB não aprendeu nada com a história política da cidade de Campinas. Depois de ter rompido com o atual prefeito Jonas e tentar lançar um candidato próprio, acabou emplacando uma candidatura a vice, na chapa de Rafa Zimbaldi.

O primeiro erro foi tentar lançar Rafa como prefeito sem tanto apoio. Rafa não é um grande puxador de votos e tem telhado de vidro, algo que Dário soube trabalhar muito bem durante toda a campanha e foi desmontando aos poucos.

A baixaria que partiu da campanha de Rafa no final do segundo turno é típico do PSDB campineiro e nunca funcionou. Em todas às vezes que o PSDB lançou um candidato à prefeito na cidade, a baixaria foi o prato final e nunca deu certo.


Vamos recordar a campanha de 1996 que teve Célia Leão e Francisco Amaral como candidatos à prefeitura campineira no segundo turno. Célia não tinha mais o que falar e partiu para a baixaria contra seu adversário.

Amaral continuou com seu pagodinho feito pela banda Clave de Azes e assim foi conseguindo apoio, mesmo tendo feito um mandato bastante regular no início da década de 80. Sem contar que Amaral já era idoso naquela época e por isso tinha muito carisma. A população não gostou de ver alguém atacando um senhor com baixarias.

A população campineira não gosta de baixaria na campanha eleitoral. Quando a coisa desbanca para ataques sem fundamento, o eleitor de Campinas tende a partir para a candidatura adversária. Isso é a história que mostra, e o PSDB parece não ter aprendido.

Em todas as vezes que Carlos Sampaio foi candidato à prefeito de Campinas, a baixaria também foi mote de campanha e a prova de que isso não dá certo está aí: ele nunca foi eleito, só consegue mandato de deputado federal graças aos votos que vêm do Cambuí e adjacências. Periferia nunca votou nele.

É fato que a aliança com o PSDB mais atrapalhou do que ajudou Rafa. A historinha no final, de que Dário estava sendo “misógino” ao se referir à Annabê como “mulher do Carlos Sampaio” também não colou, até porque a campanha de Rafa escondeu ela o tempo todo, e a população viu que isso era verdade, tanto que até hoje algumas pessoas não sabiam que se tratava de Ana Beatriz Sampaio. Nisso, a campanha de Dário acertou em cheio.

Fazer uma auto-crítica, algo que o PT não faz e não admite fazer (por isso continua perdendo em Campinas), seria muito bom para o PSDB. Se ainda quiser algum cargo no executivo com forças próprias, terá que reaprender a fazer campanha, pois a baixaria nunca foi o perfil do eleitorado campineiro, mas parece que nada foi aprendido com a história.

Da Redação ODC.

Outras notícias