A pandemia do novo coronavirus foi um bom pretexto para a Emdec continuar empurrando com a barriga a licitação do transporte coletivo urbano da cidade de Campinas.

O processo está paralisado desde o ano passado a pedido da Justiça, que concedeu liminar a favor de duas empresas que questionaram alguns pontos do edital, que por sinal está muito mal feito.

Além dos itinerários esdrúxulos que foram “elaborados” durante muito tempo, há várias inconsistências e falta de estudos de viabilidade técnica e financeira, sobretudo para os veículos elétricos exigidos para o sistema BRT.

Um ônibus elétrico é muito mais caro que um movido a diesel e depende de uma estrutura exclusiva na garagem para a recarga das baterias, algo que pouca gente está disposta a investir. Com a pandemia, muito menos agora.

As estações do BRT já estão sendo montadas nas cores de cada nova área operacional estabelecida pelo edital, ou seja, azul para o Campo Grande e verde para o Ouro Verde. E se o novo prefeito que chegar decidir mudar todas as cores, como vai ficar?

Da Redação ODC
Leia também: Justiça usa motivo esdrúxulo para libertar casal que confessou ter matado motorista em Campinas