Casal que conseguiu na Justiça direito de plantar maconha para tratar filhos com TEA fica satisfeita com resultados

 Casal que conseguiu na Justiça direito de plantar maconha para tratar filhos com TEA fica satisfeita com resultados

O casal que conseguiu na justiça o direito de cultivar pés de maconha em casa para produzir o óleo que auxilia no tratamento dos filhos está muito satisfeito com os resultados do medicamento.

As crianças, que têm 7 e 10 anos, foram diagnosticados com Transtorno do Espectro Autista, também conhecido pela sigla TEA, e um tratamento alternativo à base de óleo de cannabis tem mostrado resultados promissores.

A mãe dos garotos disse que os filhos são uns antes e outros depois do medicamento. No Brasil há apenas um local autorizado a produzir esse óleo, que é caro e nem sempre há a disponibilidade para compra. Um frasco de 30 ml custa 2500 reais.


Por conta disso, o casal conseguiram permissão judicial, através da Defensoria Pública, para cultivar maconha com o único objetivo de produzir o óleo prescrito para o tratamento dos filhos.

Em maio do ano passado a família entrou na justiça e o habeas corpus saiu em 16 de junho deste ano. A decisão saiu em segunda instância, pois na primeira houve rejeição.

As crianças recebem outros medicamentos além do óleo, mas até o ano que vem a mãe quer retirar todos e deixar apenas o que mais dá resultado, que é justamente o óleo a base de cannabis.

O tempo entre o plantio e o uso do óleo é de oito meses, então o casal precisa de pelo menos 30 pés para garantir o tratamento por pelo menos um ano dos dois filhos.

Estudos promissores já mostram resultados positivos do tratamento com canabidiol, apensar de ainda não ser consenso entre os médicos. Ainda há muitas controvérsias, mas houve muitos avanços. A questão é a reação ao medicamento a longo prazo.

Da Redação ODC.
Fonte: G1
Leia também: Campinas adere a plano estadual de rastreamento de pessoas com suspeita de novo coronavirus

Outras notícias