Caso de motorista de app encontrada morta em São Roque ainda é um mistério

 Caso de motorista de app encontrada morta em São Roque ainda é um mistério

Há um ano, o corpo da motorista de aplicativo Amanda Pereira Agustinho Giovanetti, de 29 anos, foi encontrado carbonizado e com marcas de tiros em São Roque, região de Sorocaba.

A moça, que era de Limeira, saiu para supostamente fazer uma corrida para São Paulo, e desapareceu em janeiro.

Dias depois, o carro foi encontrado com um corpo dentro, e o exame comprovou que era dela.


No local, que fica na Estrada Ernesto Stokler de Lima, a perícia encontrou pertences da motorista e também cápsulas de munições.

Uma delas estava no veículo e outra do lado de fora.

A vítima estava no banco de trás.

Amanda teria feito contato com os pais pela última vez em 14 de janeiro, dizendo que faria um corrida de Limeira até São Paulo para acompanhar um passageiro que realizaria exames na cidade.

Ainda segundo a versão dos pais, Amanda também informou que faria outras corridas em São Paulo enquanto aguardava o passageiro.

Depois disso, quando a família tentou contato, o celular da mulher passou a dar caixa postal.

Ao ODC, a Secretaria de Segurança Pública informou o seguinte:

O caso é investigado como homicídio qualificado pela Delegacia de São Roque, que instaurou inquérito policial. O corpo foi identificado após exames realizados com o material biológico da vítima, colhido pelo IML de Sorocaba. A autoridade policial analisa o resultado dos laudos periciais, além de realizar a oitiva de testemunhas e buscas por câmeras de monitoramento. Diligências seguem em andamento para identificar e prender os autores do crime.

Outras notícias