Curso orienta servidores públicos de Campinas para atuarem em comissões de heteroidentificação

 Curso orienta servidores públicos de Campinas para atuarem em comissões de heteroidentificação

Foto: PMC

A Escola de Governo e Desenvolvimento do Servidor (EGDS) promove, até o dia 1º de setembro, um curso de formação de servidores públicos que atuam ou vão atuar em comissões de heteroidentificação. A capacitação está sendo realizada em parceria com o a Coordenadoria Setorial de Promoção da Igualdade Social, por meio do Centro de Referência em Direitos Humanos na Prevenção e Combate ao Racismo e Discriminação Religiosa.


A metodologia adotada inclui exposições teóricas e discussões baseadas nas análises dos textos, dados estatísticos e conteúdo audiovisual. Também haverá treinamento prático e exercício simulado de atuação na comissão de heteroidentificação.

“No primeiro dia de curso já deu para perceber que o respeito às diferenças, o respeito à diversidade e a valorização da pluralidade vão se fazer presentes em todos os encontros”, disse Jacqueline Damazio Armando, coordenadora do Centro de Referência em Direitos Humanos na Prevenção e Combate ao Racismo e Discriminação Religiosa.

Ainda segundo ela, é preciso ter um olhar voltado para o passado, na tentativa de construir um futuro melhor. “Quando a gente fala das políticas afirmativas na reserva de vagas para pretos e pardos, estamos falando, sim, nessa pluralidade que a gente quer no serviço público”, completou.

O curso teve início nesta quinta-feira, dia 4 de agosto e é aberto a todos os servidores municipais. Os outros encontros serão nos dias 11, 18 e 28 de agosto e 1º de setembro.

Cotas

“Desde 2019, temos, em Campinas, a lei de cotas para pessoas pretas e pardas. Todos os processos seletivos e concursos realizados desde então tem vagas para este público e o procedimento de heteroidentificação faz parte das etapas dos certames. Por isso precisamos ter servidores bem treinados”, disse a secretária de Gestão e Desenvolvimento de Pessoas, Eliane Jocelaine Pereira.

Além de ser fundamental para a composição das bancas, o curso também é importante para uma melhor compreensão das questões raciais, em especial para quem trabalhar diretamente no atendimento à população.

O procedimento de heteroidentificação já foi aplicado em quatro processos seletivos realizados pela Prefeitura. Os servidores que participaram da banca também foram capacitados, mas, segundo a Pasta, é importante ter cada vez mais profissionais com capacitação para aplicar este procedimento.

“As comissões mudam e é importante ter servidores capacitados. Estamos com vários concursos em andamento e para todos temos candidatos inscritos como pessoas pretas e pardas”, explicou Eliane Jocelaine.

As informações são da Prefeitura de Campinas.
Leia também: Linha 261 sofre alteração de itinerário a partir desta segunda, 8/08

Outras notícias