Dona de casa morre supostamente por picada de aranha-marrom em Campinas

 Dona de casa morre supostamente por picada de aranha-marrom em Campinas

Uma dona de casa de 55 anos morreu na última terça-feira à noite, supostamente por picada de aranha-marrom (Loxosceles).

Rosimar Maria da Rocha Luiz acordou no último dia 20, com inchaço em um dos olhos e três dias depois seu estado de saúde se agravou, levando a paralisação dos rins e por fim sua morte.

O caso é acompanhado pelo Centro de Informação e Assistência Toxicológica (CIATox) da Unicamp.


Rosimar morava no Jardim Eulina, em Campinas, com um filho de 25 anos e uma filha de 13 anos.

A família havia se mudado para a casa havia sete meses.

Em um dos terrenos ao lado existe uma horta, que é cuidada pelo vizinho.

Além disso, em um corredor externo da casa, a mulher costumava guardar garrafas pets.

Os filhos acreditam que Rosimar tenha sido picada enquanto dormia, com a filha caçula.

“Ela levantou no sábado de manhã com um olho inchado e achou que era alergia”, contou o porteiro Daniel da Rocha Ramos, de 25 anos, filho da vítima.

Segundo Ramos, uma semana antes a mãe tinha feito uma faxina geral no imóvel, inclusive retirando as teias de aranha treme-treme.

“Meu vizinho contou que matou duas aranhas-marrom recentemente. Mas minha mãe limpava bem a casa. O problema é que ela dormia com a janela aberta”, contou o jovem, muito abalado.

Como Daniel teve que viajar no sábado para o Circuito das Águas, retornou no domingo e viu que o estado de saúde da mãe tinha piorado.

“Ela estava com os dois olhos inchados, não aguentava ficar de pé e não conseguiu comer. Ela era muito teimosa e não gostava de ir a médicos. Na madrugada da segunda-feira, a levei no Pronto-Socorro da Vila Padre Anchieta, mas fizeram um raio-x e a liberaram”, disse.

Como o estado de saúde da mãe se agravou, Daniel a levou no Hospital da PUC-Campinas, onde descobriram que a dona de casa tinha sido picada por aranha-marrom, mas o estado dela já era grave.

“Os órgãos dela paralisaram e não teve mais jeito. Eu sei que não temos como evitar a morte, mas eu aconselho para que as pessoas não demorem a procurar um médico, seja qual for o problema. Relate tudo. E que também cuide da casa e olha tudo”, falou o jovem.

Por nota, o Departamento de Zoonoses da Secretaria Municipal de Saúde disse que está investigando o caso e que na tarde desta quinta-feira (25), seria realizada uma vistoria na casa da vítima para verificar a presença de animais peçonhentos.

O caso chegou até a Zoonoses pelo CIATox.

O diretor do centro, Fábio Bucaretchi, disse que a lesão que se apresentava na face da mulher não dá para afastar a possibilidade da picada por aranha-marrom, porém, precisa de confirmação.

“Não é comum a morte ser tão imediata, mas o inchaço e a forma da lesão, nos levam a crer que foi por picada”, falou.

Em 2019, o CIATox registrou 7.339 acidentes envolvendo acidentes com animais e com produtos toxicológicos e 36,3% (2.439) foram em Campinas.

Outras notícias