O acidente que matou o motociclista Antonio de Souza Vieira na Rua Piracicaba em Campinas após uma colisão com um bloco de concreto da obra do BRT está gerando reclamações por conta da precariedade da sinalização da via.

De acordo com o vídeo de uma câmera de segurança das imediações, o motociclista estava transitando pela faixa exclusiva de ônibus quando acabou se enroscando em uma teia de proteção e caiu, batendo a cabeça em um bloco de concreto.

A via ainda está com obras de acabamento em andamento, e por isso quase toda ela está com a tela de proteção bem no meio da faixa concretada para ônibus.

Apesar do sistema BRT ainda não estar em funcionamento, não é permitida a circulação de veículos comuns pela faixa exclusiva, justamente onde o motociclista de 48 anos estava passando.

Especialistas em trânsito dizem que o local está mal sinalizado, com cones velhos e sem refletivos, porém a Emdec informou em nota que a sinalização está correta e que a via exclusiva para ônibus não deve ser usada por motos ou carros.

Da Redação ODC.
Fonte: G1
Leia também: Ministro da Saúde confirma início de vacinação contra novo coronavirus em janeiro de 2021