Menina de 10 anos tenta impedir mãe de agressão e é baleada na barriga por padrasto

 Menina de 10 anos tenta impedir mãe de agressão e é baleada na barriga por padrasto

Uma garotinha de 10 anos levou um tiro no abdômen ao defender a mãe do padrasto, na madrugada desta sexta-feira (4), em Campinas.

A mãe também foi atingida pelos disparos.

O homem fugiu.


Mãe e filha foram socorridas e levadas pelo Corpo de Bombeiros ao Hospital Mário Gatti.

O estado de saúde da mãe é estável, mas da menina é grave.

A mulher tinha medida protetiva contra o agressor.

Mãe e filha moram sozinhas em uma casa no Jardim do Lago, região do Parque Oziel, quando durante a madrugada, a monitora de escola, de 39 anos, ouviu um barulho de tiro perto de sua casa.

Assustada, ela se levantou e foi verificar de onde vinha o disparo, mas ao acender a luz externa do imóvel, percebeu que estava desligada.

Em seguida, a mulher percebeu que alguém arrombava a porta, que estava acorrentada com uma corrente grossa.

O ex-companheiro da vítima entrou no imóvel e passou atirar contra a monitora.

Para se defender, ela usou o braço esquerdo para se proteger, mas foi atingida com dois tiros no braço e um na clavícula direita.

A criança, que dormia no quarto, ao ouvir os tiros, correu para defender a mãe e se colocou entre o agressor e a mulher, momento que ele atirou e acertou a menina.

Após atingir a garotinha, o homem, um ajudante de pintor de 33 anos, fugiu.

A monitora buscou ajuda de uma vizinha para chamar a polícia e o resgate.

O casal se relacionou por quatro meses e há seis meses estavam separados.

O suspeito não aceitava o fim do relacionamento e a ameaçava de morte.

A monitora tinha uma medida protetiva contra o suspeito e no mês passado, ele chegou a ser detido pela Guarda Municipal (GM) por descumprir a lei, mas foi liberado após prestar depoimentos no plantão da 2ª Delegacia de Defesa da Mulher (DDM).

Nos últimos 20 dias, a mulher registrou dois boletins de ocorrência por agressão e ameaça e chegou a pedir ajuda da polícia para prender o suspeito.

O agressor também registrou boletim de ocorrência, no 2º Distrito Policial (DP), alegando que ela tinha mandado dois homens ameaça-lo.

A vítima se separou do suspeito porque ele ingeria muita bebida alcoólica e era agressivo.

O casal não tinha filhos.

O ODC entrou em contato com a Secretaria de Segurança Pública (SSP) para questionar a razão da liberação do suspeito quando foi detido pelo descumprimento da medida protetiva, mas até às 17h30 desta sexta-feira não houve retorno.

A reportagem apurou que o suspeito vendeu um carro que tinha para comprar a arma usada no crime.

No começo da tarde de hoje, a GM chegou a deter um Kadet suspeito de dar fuga ao ajudante de pintor.

O motorista do veículo foi levado para a 2ª DDM, onde foi ouvido e liberado.

Outras notícias