Um voluntário brasileiro que estava participando dos testes com a vacina desenvolvida em parceria entre a Universidade de Oxford e a farmacêutica AstraZeneca morreu vítima de complicações do Covid-19.

Ainda não foi informado se a pessoa recebeu a vacina que está sendo testada ou o placebo e qual a relação da morte com os testes do imunizante.

A informação foi confirmada na segunda-feira, dia 19/10, pela Anvisa. A vacina de Oxford é a que mais está cotada para ser distribuída no Brasil e tem o presidente Jair Bolsonaro como um dos maiores entusiastas.

A vacina está na fase 3 de testes, ou seja, a última, com o objetivo de atestar a eficácia da mesma. No Brasil ela foi aplicada em profissionais da saúde em cinco Estados.

Como os testes continuaram normalmente, acredita-se que a vítima teria recebido o placebo ou ter tido morte causada por outros fatores não relacionados à vacina.

Tudo está sendo feito da forma mais sigilosa possível e acompanhada por auditores independentes, porém a Anvisa ainda não recebeu todas as informações a respeito do caso e está no aguardo.

Da Redação ODC.
Leia também: Comércio de Campinas teme volta para fase amarela e intensifica conscientização de clientes