Uma mulher de 25 anos de idade postou nas redes sociais um relato de violência que sofreu do namorado na cidade de São Vicente, litoral paulista.

Na postagem, feita no domingo, dia 19/07, a mulher relatou que foi xingada e insultada várias vezes, e ainda foi traída pelo ex-namorado. Nesse mesmo dia, ela estava com o ex e com amigos dele.

O casal discutiu dentro do carro e, nervosa, acabou subindo com o carro na calçada. O namorado saiu do carro com a chave e deixou para que ela empurrasse o veículo sozinha. “Assim que ele voltou, supliquei para ele não me abandonar lá, porque eu estava nervosa e não queria mais continuar brigando, agarrei ele para que não me deixasse sozinha. Ele pediu para eu soltar, na mesma hora prendeu a minha respiração falando que iria me desmaiar porque eu estava irritando ele”, disse ela.

Nesse momento ela mordeu o dedo do rapaz para se defender e conseguiu se soltar. Foi aí que ela foi espancada. “Uma policial militar ajudou a me acalmar e me orientou sobre o boletim de ocorrência. Fui parar no Pronto Socorro para fazer raio-X do meu rosto”, relatou no post.

Assim que foi liberada pela médica, a jovem foi até à delegacia, porém um policial disse ao pai e ao irmão dela que ela não queria fazer o BO pois ia voltar com o namorado no dia seguinte. Ela ficou tão nervosa que não conseguiu nem responder:

“Não conseguia parar de chorar, minha ansiedade atacou, eu fiquei em estado de choque porque jamais pensei que um dia ia passar por esta situação. Uma única policial me acalmou nesse momento e consegui entender o que estava acontecendo. E é obvio que eu quero fazer B.O e o que for preciso para evitar que um verme desse continue a bater em outras”, disse.

O caso foi registrado como agressão mútua pois a polícia ouviu apenas o namorado e um amigo dele, que foi testemunha: A minha versão ninguém escutou, apenas assinei o B.O e ele [agressor] saiu pela mesma porta que eu. Só hoje [terça] que fui procurar meus direitos na Delegacia da Mulher, e lá eles escutaram o meu depoimento e fizeram um adendo no B.O com a minha versão. Deveria ter deixado ele me desmaiar, era mais fácil deixar a covardia de um homem usar a força maior em cima de uma mulher”.

A Secretaria da Segurança Pública disse que o caso foi registrado como lesão corporal na madrugada de segunda-feira, dia 20/07. “Eu quero justiça em meu nome e em nome de todas mulheres que sofrem violência e vivem em relacionamento abusivo. Tive que passar por isso pra entender que a mulher nunca tem voz e muito menos força. Até quando nós mulheres vamos passar por isso?”, encerrou o post.

O advogado da vítima informou em nota que sua cliente está se recuperando na casa da família e que já foi requerida as medidas protetivas previstas na Lei Maria da Penha.

Da Redação ODC.
Fonte: G1
Leia Também: Reabertura de restaurantes em Campinas não deverá mais ter sistema self-service