Mulher processa TikTok após desenvolver traumas por causa dos vídeos que assiste

 Mulher processa TikTok após desenvolver traumas por causa dos vídeos que assiste

Foto: Shutterstock

Candie Frazier trabalha como moderadora de conteúdo no TikTok e entrou com um processo contra a rede social e sua dona, ByteDance, afirmando que “tem problemas para dormir e, quando dorme, tem pesadelos horríveis”, coisas que foram causadas pela função que desempenha na companhia.

A funcionária disse que desenvolveu diversos traumas pelos vídeos que assiste que, em sua maioria, contém violência, tiroteios em escolas, quedas fatais e até canibalismo. A denúncia ainda afirma que os moderadores trabalham em turnos de 12 horas e só possuem uma hora de almoço e outros dois intervalos de 15 minutos.

“Devido ao grande volume de conteúdo, os moderadores de conteúdo não têm mais do que 25 segundos por vídeo e assistem simultaneamente de três a dez vídeos ao mesmo tempo”, relatou a denunciante.


Uma empresa que terceiriza o serviço de moderação para grandes redes sociais chegou a afirmar que o trabalho poderia causar transtornos de estresse pós-traumático devido ao tempo em que essas pessoas passam analisando imagens fortes.

A denúncia de Frazier coloca a reputação do TikTok em cheque, pois a plataforma de vídeos rápidos junto com o Facebook e YouTube criou uma série de diretrizes para ajudar os moderadores de conteúdo, incluindo uma jornada de trabalho de quatro horas e assistência psicológica.

No entanto, aparentemente, o TikTok não tem cumprido com as diretrizes que ajudou a criar e continua expondo seus funcionários que trabalham evitando traumas nos usuários a situações desagradáveis.

Com sua ação, Frazier espera estar representando seus colegas moderadores de conteúdo e exige que o TikTok pague uma indenização por danos psicológicos e garanta um fundo médico para funcionários que lidam com os vídeos traumáticos.

Por Matheus Barros, editado por João Barbosa
Fonte: olhardigital.com.br

As informações são do Direito News.
Leia também: Sorveteiro gasta indenização de R$ 71 mil em 30 dias e volta para as ruas

Outras notícias