O que esperar do mercado financeiro em 2020? Ousadia ou cautela?

23

Após a recuperação do primeiro trimestre, os mercados acionistas foram prejudicados desde o final de abril por um cenário macroeconômico em deterioração, agravado pela guerra comercial sino-americana. Este quadro resultou em um desempenho dos setores defensivos e de crescimento significativamente superior aos setores cíclicos. Além disso, outro resultado é uma queda contínua no rendimento de títulos, que registrou seu pico em agosto. Desde então, a perspectiva de um acordo comercial, ainda que parcial, e o regresso do apoio dos bancos centrais permitiram que os mercados acionistas superassem barreiras que antes impediam sua evolução. Como tal, a liderança do setor reverteu, tendo os setores de valor e cíclicos superado o desempenho dos setores de crescimento, e os rendimentos iniciaram a recuperação. No último ano, a procura latente de ativos de baixa duração tem sido provavelmente suficiente para a manutenção deste padrão até ao final do ano.

Para além deste horizonte, existem duas questões que podem atapalhar esta inflexão incipiente.

A primeira pode parecer técnica, mas assume uma importância estratégica: o aperto da política monetária (quantitative tightening) da Fed, que teve início em 2018 e só terminou em setembro passado, foi um erro substancial que terá inúmeras consequências. O sistema financeiro dos EUA enfrenta, atualmente, um problema de liquidez de dólares para o qual a Fed ainda não encontrou uma solução duradoura, o que coloca em risco uma infinidade de pequenos players financeiros norte-americanos altamente alavancados. Além disso, também impede a depreciação do dólar face ao seu nível sobrevalorizado. As operações mensais de injeção de 60 bilhões dólares, decididas no mês passado pela Fed, claramente não são suficientes para resolver o problema. Será necessário fazer mais, e mais rápido, a fim de evitar um acidente de liquidez.

A segunda questão está relacionada com o panorama político norte-americano: o triunfo de uma década de Wall Street sobre a economia real (Main Street) no mundo desenvolvido começou a gerar uma rebelião social e política significativa, o que pode impulsionar a candidatura de Elisabeth Warren para as eleições presidenciais nos EUA. O seu programa está abertamente focado no aumento dos impostos e na política reguladora, com vista a acabar com os resultados líquidos das empresas em benefício dos trabalhadores. É certo que uma agenda tão radical será provavelmente diluída se, e quando, Warren passar pelas eleições primárias dos democratas. Contudo, tal agenda seguramente não seria bem vista pelos mercados de ações e provavelmente enfraqueceria ainda mais as perspetivas para o dólar. Quanto aos mercados de renda fixa, estes ficariam divididos entre a corrida pela segurança e as necessidades de financiamento de um programa pesado em termos de infraestruturas e gastos sociais.

Dada a interligação dos mercados globais, os investidores deverão provavelmente considerar avançar com mais prudência em 2020 do que agora no final de 2019.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui