Polícia de Campinas identifica integrante de bando que invadiu prédios de luxo

 Polícia de Campinas identifica integrante de bando que invadiu prédios de luxo

A Polícia Civil de Campinas identificou um adolescente de 17 anos que tem elo com uma quadrilha que foi presa no último dia 19, em São Paulo, suspeita de invadir e furtar aos menos seis prédios de luxo, em um mês.


O menor foi reconhecido após conclusão de dois laudos de digitais, recolhidas em uma chave de fenda deixada em um apartamento de alto padrão, localizada na Rua Maria Monteiro, no Cambuí, e também de imagens do sistema de monitoramento.

A investigação faz parte de um inquérito comandado pela equipe do 13º Distrito Policial (DP).

De acordo com a Polícia Civil, em agosto do ano passado, um comerciante de 45 anos, teve seu apartamento furtado, no período em que se ausentou para ir a um consultório.

A vítima teve dinheiro, joias e relógios de marca furtados.

Logo que tomou conhecimento da invasão, o comerciante acionou a Polícia Civil que foi no local e, com a ajuda da Polícia Científica, identificou digitais em uma chave de fenda abandonada no apartamento.

Através do Sistema Automatizado de Identificação (AFIS), da Polícia Científica, os agentes conseguiram identificar o adolescente, que mora em São Paulo e tem o nome relacionado em ao menos dez boletins de ocorrência de furto.

De acordo com os policiais civis, através do sistema de monitoramento do prédio foi possível ver que o menor entrou sozinho e saiu com uma mochila e uma sacola da vítima.

Ainda conforme os agentes de segurança, a quadrilha é formada por ao menos 17 menores – inclusive um de 12 anos – que se apresentam em portões de condomínios de luxo, se passam por filhos de moradores e enganam porteiros.

Geralmente andam bem vestidos e agem sozinhos ou acompanhados, dependendo da ocasião.

Eles costumam arrombar e subtrair objetos pequenos e de grande valor como ouro, relógios e dinheiro.

Os policiais do 13° DP investigam outros crimes na região do Cambuí, no mesmo modo de atuação do adolescente.

O delegado da unidade aguarda ouvir o adolescente por precatória para a finalização das investigações e deixá-lo à disposição da Vara da Infância e Juventude.

Outras notícias