Polícia identifica e indicia homem de 23 anos por morte de motorista de aplicativo em janeiro de 2020 no Chapadão

 Polícia identifica e indicia homem de 23 anos por morte de motorista de aplicativo em janeiro de 2020 no Chapadão

Policiais da 1ª Delegacia de Investigações Gerais (DIG) da Divisão Especializada em Investigações Criminais (Deic) de Campinas, identificaram e indiciaram um dos suspeitos de matar, na noite do dia 4 de janeiro de 2020, o motorista de aplicativo Everton Rodrigo de Oliveira Basso, de 33 anos, durante uma tentativa de roubo, no Jardim Chapadão.

M.F.C, de 23 anos, estava preso desde março deste ano após um assalto a residência. O outro homem envolvido no crime ainda não foi identificado.

A confirmação de participação de M.F.C no latrocínio (roubo seguido de morte) contra Basso, se deu em fevereiro deste ano, após vários depoimentos dele e também de investigações, com diligências, dos agentes.


Na época, foi solicitada a previsão preventiva de 30 dias do suspeito, mas ao cumprirem o mandado de prisão, os policiais descobriram que ele tinha sido preso em flagrante e estava no Centro de Detenção Provisória (CDP) de Campinas.

Nesta sexta-feira, dia 23, com autorização judicial, ele foi retirado da cadeia para prestar depoimentos, mas ficou em silêncio.

Segundo os policiais civis, o suspeito nega o latrocínio, mas seus depoimentos são contraditórios. A polícia deve solicitar a prisão preventiva dele.

O crime

Basso foi morto quando fazia uma corrida para dois falsos clientes.

Ele trabalhava como motorista de aplicativo havia, pelo menos, três anos.

A vítima era casada, pai de duas crianças pequenas, morava em Hortolândia e amava o que fazia.

Na época do crime, os motoristas por aplicativo fizeram protesto, com carreata, exigindo segurança para os trabalhadores.

A Polícia Civil apurou que, na noite do crime, M.F.C. pediu para uma amiga virtual acionar um motorista por aplicativo para levar ele e um amigo do Jardim Santa Mônica até o bairro Castelo.

Na Rua Celso Egídio de Souza Santos, mesma via que tinha sido palco de um feminicídio no dia anterior, a dupla anunciou assalto e obrigou a vítima a cancelar a viagem pelo aplicativo, para impedir que o veículo fosse rastreado.

Os criminosos obrigaram Basso a parar o carro na via para colocá-lo no porta-malas, mas a vítima se recusou e entrou em lutar corporal com eles.

O suspeito que estava armado, disparou duas vezes em direção de Basso.

Um dos tiros acertou o portão de uma casa e o outro, o coração da vítima, que morreu no local.

Os suspeitos fugiram com o carro do motorista, mas o carro, um Chevrolet Prisma de cor cinza, foi achado alguns dias depois, queimado na Vila Esperança, região do São Marcos.

A investigação prossegue para a identificação do segundo autor.

Outras notícias