Projeto Gênesis vai plantar 3,5 mil de mudas de espécies nativas até abril

     Projeto Gênesis vai plantar 3,5 mil de mudas de espécies nativas até abril

    Reflorestar a cidade.

    Este é um dos objetivos do projeto Gênesis, desenvolvido pela Fundação José Pedro de Oliveira, que é responsável pela gestão da Mata Santa Genebra.

    Até abril, a meta é plantar 3,5 mil mudas de espécies nativas em parques, praças e áreas de preservação permanente da cidade e na unidade de conservação ARIE Mata de Santa Genebra.


    As 3,5 mil mudas já têm destino certo e estão previstas no Plano de 100 Dias da atual gestão.

    Elas serão plantadas no Parque Linear Capivari, na Lagoa do Taquaral, na Mata de Santa Genebra e na área de preservação permanente do Córrego do Guará, que integra o Núcleo de Conectividade da Mata de Santa Genebra, etapa 1 do corredor ecológico.

    Mas como as espécies que serão plantadas são escolhidas?

    O trabalho, segundo Sabrina Martins diretora técnica da Fundação, é feito em etapas.

    Primeiro, a equipe faz o mapeamento das áreas, cada região recebe as mudas conforme as características do solo e também de acordo com as espécies nativas da região.

    “A vegetação que ocorria na região da Lagoa do Taquaral era semelhante a da Mata de Santa Genebra, então esta área receberá espécies como as que temos aqui. Já no Parque Linear do Capivari temos um solo encharcado, que pede espécies que sobrevivam a solos com muita umidade, como por exemplo a espécie pinha-do-brejo”, explicou.

    Outro trabalho realizado é a produção de mudas nativas no viveiro da própria Fundação.

    A equipe coleta as sementes em áreas verdes da cidade, em especial nos bosques e unidades de conservação e essas sementes viram mudas que são utilizadas nos projetos de restauração florestal.

    “O trabalho envolve mapear as matrizes e coletar as sementes. Depois elas são levadas para o nosso viveiro e cultivadas no local”, completou.

    Está prevista, para a esta semana, o primeiro plantio de mudas dentro do projeto Gênesis. A região escolhida foi a da Lagoa do Taquaral.

    Gênesis

    E o Gênesis vai além o plantio de mudas. Também fazem parte do projeto a formação de Condutores de Visitantes e dos Construtores de Florestas nos Bairros e os Construtores de Florestas Mirim.

    De acordo com o presidente da Fundação, Cidão Santos, o foco do Gênesis é a preservação da Mata e a conscientização da comunidade sobre a importância deste fragmento de floresta.

    “Nosso objetivo é envolver a sociedade nos projetos de preservação, aumentar as áreas florestadas na cidade e promover ações socioambientais, buscando, assim, estabelecer uma aproximação e um vínculo ainda maior com a comunidade”, disse.

    “No caso dos Condutores de Visitantes há, ainda, geração de renda, porque essas pessoas serão remuneradas”, completou.

    O presidente também destacou a implementação do Corredor Ecológico, que dará mais segurança para os animais.

    “Estamos em uma área urbana e os corredores ecológicos contribuem para que esses animais se desloquem em segurança. Será uma grande conquista para todos”, completou.

    Construtores de Florestas

    Os Construtores de Florestas serão divididos em dois grupos.

    O projeto dos Construtores de Floresta Mirim é voltado para alunos das escolas públicas e particulares da cidade.

    A proposta é promover oficinas educativas e produzir, a partir de materiais simples, mudas que depois serão plantadas pelas próprias crianças e locais previamente selecionados.

    A ideia é que eles acompanhem do plantio da semente até o da muda.

    Já o Construtores de Florestas nos Bairros terá como objetivo promover o replantio de mudas em praças e outras áreas públicas da cidade.

    As mudas utilizadas nos plantios serão produzidas no Viveiro da Fundação e conta também com mudas doadas pela Secretaria de Serviços Públicos e Secretaria do Verde, Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável.

    Outras notícias