Prefeitura fracassa de novo em edital de ônibus.. seria de propósito?

·

·

·

Tags:

A notícia de que o Tribunal de Contas do Estado decidiu suspender a licitação para contratar novas empresas para operar os ônibus em Campinas não chega a ser exatamente uma surpresa. Isso já aconteceu ao menos duas vezes na história recente da cidade, e só mostra o quanto a prefeitura tem o rabo preso com as atuais companhias, que não querem deixar de roer o osso valioso que tem em mãos — ou na boca.

Afinal, qual cidade do país faz um contrato emergencial e paga um subsídio de R$ 120 milhões? Só a trouxa de Campinas, claro.

O fato das próprias empresas de ônibus que atuam na cidade questionarem o edital a apenas um dia da entrega dos envelopes também não chega a ser uma grande surpresa. Ainda que o TCE tenha muitas coisas para analisar e pode ter demorado, não foi uma simples coincidência. Existe um grande jogo de interesses por trás, e tudo tem a ver, de novo, com os R$ 120 milhões.

O ODC sabe que havia um risco da licitação ser vazia. Ou seja, ninguém aparecer para dar uma proposta. E isso seria não um balde, mas um oceano de água fria na gestão De Caires-Riverete (secretário de Transportes e presidente da Emdec, respectivamente), seja em pretensões políticas ou pelo próprio fiasco que seria mesmo.

O problema é que a enrolação também é um sintoma de fracasso. E, disso, as últimas gestões de Campinas sabem bem o que significa. (Alô, obra do BRT! Um abraço)

Ao mesmo tempo, parece que a população não liga para isso. As reclamações sobre a situação dos ônibus são constantes, claro, mas há pouca cobrança em cima dos políticos responsáveis pelo setor, e até dos empresários.

Para que você saiba: quem pediu a suspensão do edital de Campinas:

  • o SetCamp, que representa as empresas de ônibus da cidade (sim, todas)
  • ITT Itatiba Transportes LTDA
  • Edinilson Ferreira da Silva, que é ligado à TCI Transportes Coletivos de Itatiba, que é do mesmo grupo da ITT
  • Agromáquinas Locações LTDA, que é de Vila Velha/ES, e que é ligada ao grupo que administra a Itajaí Transportes Coletivos

Não por acaso, as duas empresas de Itatiba aparecem em questionamentos feitos em outros editais de cidades da região.

Coincidência? Talvez não.