Saiba tudo sobre a toxina botulínica antes de fazer as aplicações


A aplicação de toxina botulínica para rejuvenescer a face tem ficado cada vez mais popular. Segundo dados divulgados em 2016 pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, os procedimentos não cirúrgicos, como o preenchimento e a toxina botulínica, chegam a ocupar 47,5% da agenda de especialistas. Porém, muitas pessoas ainda chegam ao consultório com dúvidas sobre o que é e para que exatamente o procedimento é indicado. “A toxina botulínica é uma neurotoxina produzida pela bactéria Clostridium botulinum, causadora do botulismo, que age como um bloqueador neuromuscular, impedindo a contração da musculatura na área em que é injetada”, explica o cirurgião plástico Dr. Paolo Rubez, membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e especialista em Cirurgia de Enxaqueca pela Case Western University.

Dessa forma, a aplicação de toxina botulínica é comumente indicada para tratar os músculos da face visando a eliminação das rugas e linhas de expressão, já que essas surgem como consequência da contração muscular realizada ao longo dos anos. Mas essa nem sempre foi a indicação para o procedimento. “Inicialmente, a toxina botulínica era utilizada pela oftalmologia e pela neurologia para o tratamento de espasmos musculares. Só muito tempo depois a substância passou a ser aplicada para o tratamento de rugas e hoje pode ser utilizada sempre que há necessidade de relaxamento muscular, para benefícios estéticos ou não”, destaca a cirurgiã plástica Dra. Beatriz Lassance, membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e da Isaps (International Society of Aesthetic Plastic Surgery),

Atualmente, com o avanço das pesquisas nas mais diversas áreas, a toxina possui diferentes aplicações. Em casos de paralisia facial, por exemplo, a toxina botulínica pode ser utilizada para melhorar a assimetria da face causada pela contração dos músculos, harmonizando o rosto. Além disso, estudos apontam que a substância pode ser utilizada na melhora de cicatrizes hipertróficas e queloides. Outra aplicação comum da substância é para o tratamento de sudorese excessiva em diversas áreas do corpo e bruxismo, condição caracterizada pelo ranger involuntário dos dentes. “De alguns anos para cá, a toxina botulínica também passou a ser utilizada como forma de prevenir a ocorrência das crises de enxaqueca, melhorando a qualidade de vida dos pacientes afetados com a condição clínica, visto que age como um bloqueador neuromuscular, impedindo a contração muscular e, por consequência, a compressão dos nervos sensitivos periféricos, que é justamente uma das causas da enxaqueca”, afirma o Dr. Paolo Rubez.

Porém, apesar de possuir inúmeras indicações, a toxina botulínica continua sendo majoritariamente utilizada para fins estéticos, sendo recomendada pelo dermatologista ou cirurgião plástico de acordo com o quadro clínico de cada paciente. “Não existe um momento exato para iniciar a aplicação da toxina. Para saber se o procedimento é recomendado para você, o ideal é consultar um médico. Hoje, até mesmo jovens de vinte anos podem realizar o procedimento visando a prevenção das rugas e linhas de expressão. Ainda assim, o tratamento possui contraindicações, incluindo gestantes, lactantes, indivíduos alérgicos à proteína do ovo e aos componentes da toxina botulínica, pacientes com doenças neuromusculares ou autoimunes e pessoas com infecções em atividade nos locais onde a substância será aplicada”, alerta a dermatologista e tricologista Dra. Kédima Nassif, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Mas mesmo se você estiver apto a passar pelo procedimento, saiba que é importante tomar alguns cuidados, como certificar-se que o profissional que realizará a aplicação da substância é qualificado, pois, segundo a dermatologista, a toxina botulínica pode causar uma série de complicações quando aplicada da maneira errada, como desvio do sorriso, queda da pálpebra, paralização de músculos errados, danos aos nervos e vasos sanguíneos e até mesmo cegueira e insuficiência respiratória. Logo, é fundamental que o procedimento seja realizado por um profissional com conhecimento profundo da anatomia da face e de seus músculos. A Dra. Beatriz Lassance ressalta também que se deve tomar cuidado com aplicações muito baratas da toxina botulínica, pois, apesar de parecerem um bom negócio à primeira vista, estas podem ser feitas com produtos de qualidade duvidosa, o que pode trazer sérias complicações, como irritações, reações inflamatórias, alergia e infecções. “A diluição do produto também é importante, pois, se for muito diluído, ficará obviamente mais barato, mas sua durabilidade e efeito serão menores”, completa a cirurgiã.

De acordo com a Dra. Kédima, o efeito da toxina botulínica é individual, podendo variar de pessoa para pessoa, mas, geralmente, dura em torno de 4 a 6 meses. “Porém, é possível prolongar o efeito do tratamento através de cuidados como evitar retoques frequentes, conferir se a substância está sendo aplicada nas doses corretas, utilizar hidratantes e fotoprotetores diariamente e evitar realizar contrações musculares exageradas”, recomenda a dermatologista. É importante reforçar ainda que a toxina botulínica não age instantaneamente, demorando cerca de uma semana para que os resultados do procedimento fiquem visíveis. “Caso você não esteja satisfeito com o resultado do procedimento, o ideal é esperar um intervalo de, no mínimo, 3 meses antes de se submeter a uma nova aplicação da substância para evitar que seu organismo desenvolva resistência à toxina, fazendo com que o produto tenha seus efeitos reduzidos e necessite ser aplicado em doses cada vez maiores para alcançar o resultado desejado”, diz o cirurgião plástico Dr. Paolo Rubez.

Por fim, é importante que você converse com seu médico e tire todas as suas dúvidas com ele antes de se comprometer com o procedimento. Pergunte sobre a técnica, o produto, as possíveis complicações, o pré e o pós-procedimento, os resultados. Apenas assim você se sentirá realmente segura para realizar o tratamento. “Mas mantenha a mente aberta, pois, apesar da aplicação de toxina botulínica ser um dos procedimentos mais conhecidos e também um dos mais realizados em consultórios médicos em todo o mundo, existem inúmeros outros tratamentos estéticos que podem ser feitos e que podem ser ainda melhores para o seu caso, afinal, a toxina botulínica não é capaz de resolver todos os problemas. Lasers, preenchedores, bioestimuladores, fios de sutura, microagulhamento e até mesmo cirurgias são apenas algumas das opções de tratamentos estéticos que existem hoje e que podem ser mais indicados no seu caso do que a aplicação da toxina botulínica”, finaliza a Dra. Beatriz Lassance.

FONTES:

DRA. BEATRIZ LASSANCE – Cirurgiã Plástica formada na Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo e residência em cirurgia plástica na Faculdade de Medicina do ABC. Trabalhou no Onze Lieve Vrouwe Gusthuis – Amsterdam -NL e é Membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, da ISAPS (International Society of Aesthetic Plastic Surgery) e da American Society of Plastic Surgery. Além disso, é membro do American College of LifeStyle Medicine e do Colégio Brasileiro de Medicina do Estilo de Vida.

PAOLO RUBEZ – Cirurgião plástico, membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, da Sociedade Americana de Cirurgia Plástica (ASPS) e da International Society of Aesthetic Plastic Surgery (ISAPS), Dr. Paolo Rubez é Mestre em Cirurgia Plástica pela Escola Paulista de Medicina da UNIFESP. O médico é especialista em Cirurgia de Enxaqueca pela Case Western University, com o Dr Bahman Guyuron (em Cleveland – EUA) e em Rinoplastia Estética e Reparadora, pela mesma Universidade e pela Escola Paulista de Medicina/UNIFESP. http://drpaolorubez.com.br/

DRA. KÉDIMA NASSIF: Dermatologista e Tricologista, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia, da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica e da Associação Brasileira de Restauração Capilar. Graduada em Medicina pela Universidade Federal de Minas Gerais, possui Residência Médica em Dermatologia também pela UFMG; realizou complementação em Tricologia no Hospital do Servidor Público Municipal, transplante capilar pela FMABC e em Cosmiatria e Laser pela FMABC. Além disso, atuou como voluntária no ensino de Tricologia no Hospital do Servidor Público Municipal de São Paulo. www.kedimanassif.com.br

Conteúdo relacionado

Busque

Linhas de Campinas

Linhas de Paulínia

Linhas de Hortolândia

Linhas de Sumaré