Família morta no Jd. Aeroporto: entenda como o crime aconteceu

 Família morta no Jd. Aeroporto: entenda como o crime aconteceu

Aos poucos novos detalhes sobre a morte da família no Jardim Aeroporto, em Campinas, são conhecidos.

Miqueias Santana, de 30 anos, segue preso após confessar que matou a esposa, a sogra e a filha de três anos de idade.

A sequência de crimes começou na noite de segunda-feira (17) e terminou na madrugada de terça (18), ao lado do 9º Distrito Policial de Campinas.


O corpo da pequena Manuela Bernardes Santos foi encontrado ao lado do corpo da avó, Creuza Aparecida Bernardes Felício, no sofá.

As duas foram assassinadas a golpes de enxada — a sogra foi atacada primeiro, segundo relato policial.

O corpo da mãe da criança e esposa de Santana, Cláudia Bernardes Santos, estava no quintal, onde foram achadas a enxada e uma pá.

De acordo com relatos de Santana para a polícia, o casal estava junto há 10 anos, mas ao longo deste período se separou por um certo tempo, por uma suposta traição dela, mas há três meses decidiram reatar a relação.

Mas, nesta nova fase, o casal passou a brigar por ele suspeitar que ela tivesse um caso extraconjugal.

A tragédia aconteceu cerca de 12 horas após Santana ter sido demitido de uma oficina, no Jardim Santa Genebra.

Foto: Wagner Souza/Colaboração para o ODC

Após demissão, ele planejou o crime

Miqueias Santana relatou à polícia que, depois de ser dispensado do trabalho, voltou para casa e passou o dia com a família.

À noite, passou a se desentender com a mulher e durante o jantar.

A refeição aconteceu na casa da sogra, que morava em uma edícula, no mesmo quintal.

Nisso, foi até uma adega no bairro para comprar refrigerante, mas encontrou o estabelecimento fechado.

Na volta, a discussão continuou. Creuza foi em defesa da filha e foi golpeada na cabeça.

Manuela, ao ver a avó ferida, correu para perto da idosa e também foi agredida com a enxada.

Santana relatou para a polícia que não se lembrava do número de golpes desferidos na sogra e na filha, mas acreditava ter sido muitos.

Cláudia começou a ser agredida quando tentou defender a mãe e a filhinha.

Ao tentar buscar socorro, ela foi perseguida e atingida com mais golpes na cabeça.

O agressor chegou a pegar uma pá para continuar com o espancamento, já que o cabo da enxada se quebrou.

O homem ainda relatou que já planejava matar a mulher e a sogra, mas somente decidiu fazer a filha “ir morar no céu”, na noite desta segunda-feira, quando retornava da adega.

No trecho de volta para casa, teria pensado na filha, que ficaria sem o pai, porque ele seria preso, a mãe e a avó.

Outras notícias